Uma sharrow em vídeo

Uma sharrow pintada de verde, nos EUA:


[Via]

Não é ideal, porque pode passar a mensagem de onde não há sharrow não há ciclistas ou estes têm menos direitos, contudo, parece-me mil vezes melhor que os corredores para bicicletas (vulgo ciclovias na faixa de rodagem) tantas vezes advogados e tantas vezes mal implementados (embora seja sempre difícil implementar bem um conceito mau à partida).

Um corredor para bicicletas costuma ter uma largura variável, geralmente não dá para mais do que a largura de uma bicicleta (até menos!!), e o ciclista é obrigado (em Portugal, pelo nosso CE, sempre que estiver sinalizado com aquele sinal circular azul) a circular dentro dos limites do mesmo. Geralmente os carros na via imediatamente à esquerda passam bastante perto e depressa devido à pouca largura das vias, e a bicicleta circular também bastante perto do passeio e dos peões que lá circulam.

Uma sharrow não limita os direitos dos ciclistas ao usar uma via de trânsito normal, permitindo-lhes posicionarem correctamente na estrada (para verem, serem vistos, conseguirem comunicar e darem margem para erros) apenas lembra aos restantes utentes das vias que os ciclistas tambéms as usam, têm direito a elas, e que é aquela posição na estrada que devem tomar (ou que podem tomar) – muitas vezes são os próprios ciclistas que não a ocupam por ignorância, medo ou falta de confiança.

O problema de implementar este conceito cá é o da regulamentação actual, o CE não prevê coisas destas, e não sei o que existe em termos de regulamentação a nível municipal ou nacional dos requisitos técnicos das vias para velocípedes…

Paris: ciclistas menos afectados pela poluição

Paris continua uma capital poluída, é o que sobressai do estudo “d’AirParif” publicado em Fevereiro deste ano. Um estudo que revela ainda que os ciclistas são menos afectados pela poluição do que os automobilistas.

Mas porquê?!…

Parece que isto (inicialmente apenas um projecto para um concurso) evoluiu para algo em produção. Embora em tempos também tenha visto interesse no conceito, agora já vejo o nonsense que aquilo é… Aliás, basta ler a intro no site do produto para perceber o ridículo:

Bike lanes are an effective means of improving safety for motorists and cyclists. However, due to the high cost of installation, bike lanes are not widely available. Instead of forcing cyclists to adapt their behavior to the existing infrastructure, the bike lane should adapt to the cyclist.

Começa logo torto com a primeira frase. E depois, basicamente, mostra a inutilidade do conceito. Que diferença faz em termos de segurança ou respeito da parte dos outros utentes das vias, nomeadamente motoristas, um risco luminoso no chão, sempre em movimento?…

Enfim, a intenção até pode ser boa, mas a ideia é um bocado tótó… O único efeito positivo que aquilo pode ter deriva da iluminação do ciclista, e aí há formas bem melhores de obter o mesmo efeito, e até melhor (se procura um efeito tchan, aposte num Down Low Glow!).

Novo parceiro para os Karts KMX para a zona Norte

A Cenas a Pedal estabeleceu recentemente uma parceria com uma empresa de Valença para a distribuição dos produtos da KMX Karts nos distritos de Viana do Castelo, Braga, Vila Real, Bragança, Porto e Aveiro.

O objectivo é aumentar a presença destes produtos em lojas nos concelhos no extremo Norte do país, e servir de ponto de apoio mais próximo para o público da zona. Assim, eventuais revendedores e clientes finais deverão contactar directamente:

Empresa: Tassapedal, Lda, NIPC: 509003451, de S. Pedro da Torre, em Valença.
E-mail: tassapedal @ gmail . com
Responsáveis: Cláudio Nicolau (tlm: 935 100 310) e Henrique Sá (tlm: 935 016 911)

Eles têm 4 modelos disponíveis para demonstrações: Storm, Cyclone, Tornado e Typhoon.

Prezamos poder oferecer aos nossos clientes o melhor serviço possível, pelo que, continuaremos sempre disponíveis para responder a qualquer questão acerca dos produtos ou do processo de compra, independentemente da zona do país em que se encontre.