Quando se pensava que não havia mais nada para inventar…

Apareceram as Nimble Cargo Scooters! Imaginem um encontro amoroso entre uma trotinete e uma bakfiets. Este seria o resultado. :-D

Quero mesmo experimentar isto um dia, eheheh!

Claro que em Lisboa (aliás, Portugal), isto seria pouco confortável ou mesmo viável na maior parte dos sítios pois as vias pedonais são geralmente irregulares, mal mantidas, obstruídas e sem desnivelamentos. :-( Neste contexto, estou muito mais confiante no potencial das Swifty (made in UK):

Estas são patinetes compactas e dobráveis, mas ainda assim confortáveis e seguras graças às suas rodas de bicicleta e pneus.

Swifty Scooters

Ficámos fãs desde que as descobrimos em 2009, ainda sob o nome de Geetobee, e quando ainda se dobravam como se fossem umas Brompton, o que nos atraíu muito. O design actual não fica tão compacto, mas ao menos rola dobrado. Parece-nos uma óptima solução de mobilidade pessoal nas pequenas voltas do dia a dia e em conjugação com os transportes públicos ou até com o carro (quando fica estacionado mais longe) nas cidades e estamos mortinhos por poder ter cá as primeiras para testar! O factor “dobrável” confere-lhes uma vantagem face às outras. :-) A cerca de 600 € não são baratas, esse montante paga uma boa bicicleta convencional ou uma bicicleta dobrável de qualidade aceitável, mas a Swifty é uma opção compacta, dobrável, leve, fácil de usar por toda a gente, pode circular nos passeios e zonas pedonais, e tem poucos componentes para fazer manutenção. Em voltas de até 1 Km, pelo menos, é mais competitiva do que uma bicicleta! :-)

“Descobrir como uma pessoa se equilibra numa bicicleta”

Depois de 200 anos de uso e inovação na bicicleta, os cientistas ainda estão a tentar descobrir exactamente como é que nós nos equilibramos numa bicicleta (vídeo!).

Já para o comum dos mortais a coisa é muito mais simples, ou já se faz sem saber muito bem como, ou aprende-se a fazer no nosso ABC da Bicicleta. ;-)

Aproveitem as férias! :-) As próximas edições deste módulo para aprender a andar de bicicleta são já na próxima semana:

  • dias úteis: 26 a 29 Junho, 19h00-20h30
  • fim-de-semana: 30 Junho, 1, 7 e 8 de Julho, 9h30-11h00

Inscrevam-se já para garantirem a vossa vaga. Em Julho e em Agosto também vão haver cursos, o calendário será publicado até ao final deste mês. E, claro, há sempre a opção das aulas particulares para quem prefira ou precise.

Três histórias da estrada

O pendular / activista, a família, o estudante.

E a bicicleta mais fixe, mais cool, mais linda de SEMPRE, uma Xtracycle Surly Big Dummy customizada, toda em rosa! :-D

Querem cena mais linda que esta? Uma mãe, numa longtail rosa, a transportar os dois filhos pequenos, nas voltas de todos os dias. Priceless.

É a minha ambição natural depois disto:

New matching pink Selle An-Atomica saddle

:-P A razão que a Madi deu foi “quem roubaria uma bicicleta cor-de-rosa?”, o que é um bom ponto, mas rosa, sim, porque 1) é divertido e 2) ajuda a lembrar que as bicicletas também são um domínio feminino natural! ;-)

Até o apoio de descanso, um fan-tás-ti-co Rolling Jackass, é cor-de-rosa:

Férias em bicicleta?

Sim, por favor! :-D

Aproximam-se os meses de Verão, os fins-de-semana, os dias longos, as férias. A bicicleta encaixa aqui como uma luva. Ir de férias em bicicleta só tem vantagens, em vez de as férias servirem para engordarmos, até melhoramos a forma física ;-), passeamos e vemos muito sem gastar um tostão (sobram mais tostões para coisas interessantes como ir a um festival de música, experimentar aquele restaurante apetitoso, ficar fora mais dias, and so on), e a viagem passa a ser mesmo uma viagem e não simplesmente ir do ponto A ao B. As férias começam mal saímos de casa!

Por isso, e para que as surpresas sejam sempre boas, convidámos o Paulo Guerra dos Santos, do 100 Dias de Bicicleta em Portugal e do  Ecovias de Portugal, a vir cá ao nosso ateliê partilhar convosco a sua experiência a viajar de bicicleta por terras lusas. :-)

O workshopTurismo Activo em Bicicleta” decorre em 3 sessões, a 26 de Maio, 2 e 9 de Junho, das 10h00 às 12h30, aqui no nosso estaminé, a inscrição fica em 60 € e ainda temos vagas! Não percam esta oportunidade e inscrevam-se já via cursos@cenasapedal.com.

 Conteúdo do workshop

 

Slow Travel: o conceito

  • Viajar devagar conhecendo e usufruindo mais.

Turismo activo em bicicleta

  • O que é, vantagens e desvantagens.
  • Rede Suiça de Ecovias.
  • Rede Noroeguesa de Ecovias.
  • Rede Portuguesa de Ecovias.

Planear uma viagem em bicicleta

  • Pesquisa de percursos, definição de etapas, onde dormir, onde comer, o que visitar.
  • Logística de transportes: Veículo privado, transportes públicos ou apoio profissional?
  • Redes sociais: warmshowers.com, couchsurfing.org
  • Clima, época do ano, cuidados de segurança.
  • Preparação física, aquecimento e alongamentos.
  • Seguro de responsabilidade civil contra terceiros e danos próprios.

O equipamento

  • A bicicleta, o calção e a camisola, capacete, suplentes, manutenção e mecânica básica.
  • A carga em atrelado ou alforges.
  • A escolha sobre o que levar. Lista com os itens mais solicitados.
  • Material de emergência.

Mapas de estradas e Global Positioning System

  • Rede viária nacional e sua classificação.
  • Explorar/visualizar estradas e trilhos na internet.
  • Criar/visualizar trilhos no Google Earth.
  • Equipamentos, smartphones e tablets com GPS.
  • Deixar-se guiar pelo trilho e pelo GPS.
  • Bateria extra ou carregamento em viagem.

E quem sabe depois deste workshop não aproveitam para pôr os novos conhecimentos em prática e acompanhar o Paulo e a Ana Galvão na ciclo-viagem Lisboa-Badajoz de 1 a 7 de Julho? ;-)

E, claro, se precisarem de uma bicicleta de touring, ou simplesmente de passeio, uns alforges, etc, etc, é no sítio do costume (mas tratem da coisa com antecedência para quando a data de partida chegar estar cá tudo!).

Lembram-se de como eram as férias quando éramos putos? Pois bem, ir de férias de bicicleta rejuvenesce-nos quase até esses doces e belos tempos! :-D

Este anúncio de TV está genial. Eu não sou dos anos 70, mas dos 80, mas ainda me revejo totalmente nisto! :-)

Libertem as crianças, as interiores e as vossas! ;-) As crianças querem-se como as galinhas, “do campo“, e na rua! :-P