Ah e tal que já sou muito velho para isso

José Maria, 76-quase-77-anos-“mas-estou-rijo”, nunca pegou antes numa bicicleta, mas queria mesmo muito. Após 4 horas de aulas com o Bruno, no passado mês de Julho, o resultado era este:

2013-07-24%2011.12.50

Marca o record da nossa escola em termos de senioridade! :-)

Se alguém vos disser que não tenta aprender a andar de bicicleta apesar de querer/gostar porque “burro velho não aprende truques“, expliquem que a idade não é para aqui chamada, os teimosos aprendem, porque querem e assim decidem. Haja vontade e haverá uma solução! A começar pelo “ABC da Bicicleta” (próximo curso começa a 10 de Setembro!). :-)

‘Dooring’ ou “portada” (?)

Porque é que isto aconteceu?

  1. o condutor do automóvel estacionou ilegalmente (?, talvez)
  2. a condutora do ciclomotor falhou em 1) fazer-se ver pelo condutor do automóvel estacionado e em 2) dar espaço para erros, ao colocar-se no ângulo morto e ao não garantir espaço de escapatória, nem reduzindo a velocidade para compensar esse facto
  3. o passageiro do automóvel abriu a porta sem se certificar de que não vinha lá ninguém

A causa da colisão é, contudo, primária e principalmente o ponto 2.

Não se fiem em capacetes, coletes reflectores, ciclovias, seguros, etc, nada substitui a formação, nem a experiência (que nos pode ensinar, às vezes com preço alto, o que não fazer, mas não nos ensina automaticamente a o que fazer em alternativa), apenas a complementam…

Querem aprender a identificar e a evitar situações perigosas como esta? Inscrevam-se num curso “Condução de Bicicleta em Cidade” (o próximo é em Setembro)! Ou pelo menos peguem em livros, peguem na net e estudem!

É super comum ver ciclistas a fazer isto, passar na “zona da porta” dos automóveis parados, por medo de se “porem à frente dos carros”. Arriscam o resultado do vídeo acima (e outros muito mais trágicos…), dão um mau exemplo a outros ciclistas, e reforçam ideias erradas pré-concebidas, dos condutores de automóveis, fragilizando a posição dos condutores de bicicleta que efectivamente conduzem correctamente (ou seja, ocupando o centro da via). Por isso a minha tolerância para com a ignorância e a negligência está cada vez menor… Quando somos poucos, o que cada um faz tem um grande impacto nos outros, não é como andarmos de carro ou a pé. A nossa experiência no trânsito depende, antes de mais, e principalmente, da forma como NÓS agimos.

Chamo a atenção também para o facto de, a partir de Novembro, com o novo Código da Estrada em vigor, um ciclomotor ou um motociclo deixa de poder fazer uma ultrapassagem assim, tem que usar a via adjacente, mas se for uma bicicleta ainda pode

Exemplos reais e pessoas reais (se ainda precisam de mais)

Na rubrica “Contas Poupança” do Jornal da Noite da SIC a 17 Julho de 2013, o exemplo do Gonçalo e dos dois filhos, uma school run diferente no Parque das Nações: o Gonçalo a pedalar a sua bicicleta com os dois filhos atrás no atrelado (um Croozer Kid for 2, a propósito), vai de casa à escola, deixa lá os filhos e o atrelado, e segue depois para o trabalho. Ao fim do dia, a rotina inversa.

Se quiserem saber quão barato é investir numa boa bicicleta e num bom atrelado se estes vierem substituir viagens de automóvel, é só usar este simulador dos reais custos do automóvel. Sim, porque os custos do carro não se resumem ao combustível e portagens…

De volta à velocidade das carroças

Muito interessante e elucidativo este pequeno filme de 3 minutinhos apenas, sobre “A evolução dos transportes”:

E já agora, vejam este pequeno documentário sobre a bicicleta no Brasil:

Agora vamos mesmo ter fazer uma das nossas T-shirts com esta: “‘Tá nervoso? Vai de bike.” 😀

Lisboa a caminho de Bruxelas

É esta a cidade onde queremos viver?

Brussels Express from Sander Vandenbroucke on Vimeo.

Ruidosa, barulhenta, poluída, desagradável, stressante, hostil, e entupida? Quem é que, no seu perfeito juízo, se sujeita a perder horas da sua vida, todos os dias, preso dentro de um carro no pára-arranca, enquanto o stress e o sedentarismo nos destrói a saúde? Estaremos todos loucos?…