Mães & filhos de bicicleta

Há umas semanas saiu uma bicicleta Kalkhoff Agattu Lite 8 com uma cadeirinha Bobike Maxi+ para uma dupla mãe & filho. Podem ver pela foto abaixo que ficaram ambos muito satisfeitos. 🙂

Mãe & filho na bicicleta & cadeirinha novas

Este modelo é um dos meus favoritos, se não o favorito, da gama Kalkhoff.

Kalkhoff Agattu Lite 8

É muito leve e muito confortável. O quadro é rígido mas os pneus balão oferecem uma suspensão eficaz para lidar com os empedrados e demais imperfeições do piso comuns nas nossas cidades. O guiador curvo e o avanço regulável permitem obter uma posição de condução mais direita e confortável. O quadro rebaixado é o mais prático. As mudanças internas são as mais confortáveis para uso urbano, requerem pouca manutenção e são fáceis de usar (não nos exigem pensar sempre um passo à frente, como as de desviador). Traz apoio de descanso, protecção de corrente (para não termos que nos preocupar com sujar ou estragar as calças ou prendê-las com fitas), pára-lamas, porta-bagagem traseiro, campainha, e luzes de dínamo com (ON/SENSOR/OFF), e até uma pequena bomba de ar. Por 649 € uma bicicleta completa, bonita e de boa qualidade, os únicos extra que precisa são cadeados e uns alforges, sacos, malas, ou o que seja, para transportar as coisas do dia-a-dia. Uma buzina e um espelho retrovisor também dão muito jeito, claro. E depois há as cadeirinhas, cestos e reboques para necessidades de transporte mais específicas.

Esta bicicleta traz um porta-bagagem com uma curva à frente, que permite fixar a cadeirinha Bobike Maxi+ directamente ao mesmo (fixe, assim não é preciso um adaptador, e fica em 94.95 €):

Kalkhoff Agattu Lite 8 Kalkhoff Agattu Lite 8 c/ Bobike Maxi+

Reparem ainda que a cadeirinha está mais atrás que o normal com as cadeirinhas que se costumam ver mais, a criança tem mais espaço entre ela e o traseiro e as costas do pai ou da mãe, o que é simpático. 😉

Este Sábado passado saiu uma outra solução para uma dupla mãe & filha, uma bicicleta Kalkhoff Agattu Co equipada com um kit FollowMe Tandem para atrelar a bicicleta da menina.

Kalkhoff Agattu Co & FollowMe Tandem

Também é uma das minhas favoritas. A forma do quadro, e a cor, é muito bonita, e é igualmente confortável com o seu guiador ergonómico, posição direita, e quadro rebaixado. A suspensão aqui não está nos pneus, como na Agattu Lite, mas no garfo dianteiro e no espigão do selim – igualmente confortável mas um pouco mais pesada, e a um preço ligeiramente mais baixo também – 589 €. De resto, vem igualmente equipada: protecção de corrente, apoio de descanso, pára-lamas, luzes de dínamo, campainha, porta-bagagem traseiro, bomba de ar, e traz também mudanças internas.

Kalkhoff Agattu Co & FollowMe Tandem

Os extras aqui foram também um cesto dobrável Basil Catania e um cadeado Kryptonite Evolution Series 4.

Kalkhoff Agattu Co

Cesto Basil Catania fechado Cesto Basil Catania aberto
Cesto Basil Catania fechado Cesto Basil Catania aberto

A Kalkhoff tem imensos modelos, torna-se até difícil compará-los, pois por vezes são muito parecidos, as diferenças são de detalhes. Eu gosto muito da Agattu Lite 8 e da Agattu Co pelo conforto, design, e equipamento a um preço acessível, mas depois há outras opções, umas mais aproximadas, outras mais elaboradas, consoante o orçamento, e consoante as necessidades e preferências de cada um. 🙂 Mas a partir de 349 € tem-se uma bicicleta com todo o equipamento básico, bonita e de boa qualidade, com o modelo Blackwood 21.

As cadeirinhas Bobike são muito bonitas, fáceis de pôr e tirar, e “elegantes” – não só de um ponto de vista estético, mas também funcional, têm menos volume global de plástico, e onde o têm ele é grosso e robusto. O design, ergonomia, conforto e funcionalidade têm um preço, e as Bobike não são baratas, contudo, são um bom investimento e manterão um bom valor de revenda quando já não servirem à criança em causa, justamente por isso.

Na última semana equipámos algumas famílias com cadeirinhas dianteiras, uma solução para crianças mais pequenas, até aos 15 Kg, que oferece vantagens a nível de comunicação, montar/desmontar da bicicleta, e condução.

Bilby Junior & Bobike Maxi+

Uma bicicleta de cauda longa (a.k.a. longtail) é também uma solução superpopular entre as famílias.

Foto: César Marques, Blog Plano C

E um reboque é outra solução possível, claro:

IMGP5980.JPG

Servir as crianças e as famílias é fundamental para a nossa missão. Se repararem, o principal modo de transporte das famílias com crianças é o automóvel. Principalmente quando têm mais que 1 criança pequena. Não vemos muitas famílias com crianças a andar a pé, nem de bicicleta, nem de transportes públicos. Porque não é prático, não é confortável, não é seguro, e muitas vezes não é eficiente do ponto de vista do custo. Enquanto os transportes públicos, as tarifas, as estações, as paragens, as acessibilidades, a sinalização, o atendimento, as carruagens, os assentos, etc, etc, os passeios, as passadeiras, os semáforos, as escadas/rampas/elevadores, etc, etc, as estradas, o piso, o trânsito, o parqueamento, etc, etc, não forem apelativos e funcionais para quem se mova pela cidade com crianças pequenas, o domínio do automóvel, e a nossa escravização pelo mesmo, não acabará.

Nós tentamos fazer a nossa parte, equipar as famílias com as ferramentas de que precisam a nível de equipamento, assistência, e competências, e encaminhá-las e recebê-las na comunidade (Massa Crítica, MUBi, etc), para ajudá-las a estabelecer pontes com outras famílias e outras pessoas que partilham o interesse e o estilo de vida baseado na bicicleta, fomentando o apoio mútuo, a cooperação, o convívio, a troca de experiências, e a validação pelos pares desta escolha pela bicicleta.

Venham a nós as famílias!
🙂

Este sábado há Clínica de Bicicleta

Cruzamento

  • Ajuste da bicicleta ao utilizador? A que se referem? Por que é importante? Como se faz?
  • Manter a bicicleta em boas condições – isso consiste em quê, exactamente, e por que é que é importante?…
  • Temos dois travões na bicicleta: em que diferem? Como devo usá-los?
  • Para que servem as mudanças? Como se usam?
  • Olhar para trás, conduzir só com uma mão, isso é mesmo necessário? Como se faz? Por que é importante?
  • Andar a muito baixa velocidade sem pôr o pé no chão nem andar aos S’s? Como? Para quê?
  • Contornar objectos para quê? Como se faz?

Porque no mundo real há subidas e descidas, há buracos e pedras soltas no chão, lancis, pilaretes, cães, crianças e bolas, pessoas a caminhar (umas mais distraídas que outras), ciclistas silenciosos sem luzes e sem aviso, há vento, há sol, há carros e motas, há sítios estreitos, etc, etc, etc, para o passeio ou a deslocação ser eficiente, o mais segura possível, confortável, e não desnecessariamente cansativa, venha aprender e praticar estas coisas numa das nossas Clínicas de Bicicleta. A próxima é este sábado, dia 23, das 9h às 12h, no Campo Grande ou na Estrela (depende do número de inscritos), e há um “traga 2, pague 1“, traga um amigo (o marido, a filha, etc) e para ele é de borla. 😉 Inscrições pelo cursos@cenasapedal.com até à véspera. Dúvidas? 913475864.

Andar de bicicleta é como voar

Finalmente acabei de ler o “The cyclist’s manifesto: the case for riding on two wheels instead of four“, do Robert Hurst. Muitas coisas interessantes, mas deixo aqui uns trechos do final.

A opção pela bicicleta em detrimento do automóvel nas nossas deslocações, naquelas em que seja mais viável, é escolher viajar num modo que acrescenta vida em vez de a tirar. Como dizia o lema da Xtracycle, “it’s not about going faster, is about going better“, a questão não é ir mais depressa, é ir melhor.

O autor lembra que os humanos precisam de exercício da mesma forma que precisam de sono, comida, e aventura. E aqui não se trata de desportos radicais, nem de explorações na floresta amazónica. É o sentirmo-nos vivos, é estarmos abertos ao imprevisto, abertos ao mundo, é sentirmo-nos livres. E aqui a bicicleta é a solução perfeita para integrar exercício e aventura num dia-a-dia urbano pacato.

Essa aventura está também intimamente ligada à sensação oferecida pela condução da bicicleta. Andar de bicicleta é um pouco como voar.

Ilene Black

Mergulhar numa curva numa bicicleta oferece uma deliciosa sensação de flutuação. O corpo move-se pelo ar, suspenso acima do chão numa estrutura mínima de aço e rodas. A flutuar no ar, ou pelo menos em pneus cheios de ar. A máquina em si, se for uma bicicleta leve, constitui uma pequena parte do peso total do sistema bicicleta-condutor. O veículo é composto essencialmente pelo condutor, que se inclina numa curva como o faria um pássaro. Esta sensação é exclusiva da bicicleta. Não está ao alcance dos condutores de veículos de 4 rodas; eles gozam outro tipo de prazeres, claro, mas não este. Não está sequer ao alcance dos motociclistas. Devido à comparavelmente imensa massa da máquina e o baixo centro de gravidade, uma mota numa curva oferece uma sensação muito menos dinâmica e vívida que uma bicicleta.

A bicicleta salpica o nosso quotidiano de aventura acessível, razoavelmente segura, barata, e enriquecedora. O nível de aventura é controlado por nós, o esforço, o risco, a velocidade. Pode ser cheio de adrenalina ou pode ser a coisa mais pacífica do mundo.

O pico do automóvel está aí.
As pessoas andam literalmente fartas de andar de carro, de passar pela vida sentadas e imóveis, fechadas dentro de uma carapaça cada vez mais desligadas do mundo exterior, a vê-lo por detrás de um pára-brisas, enquanto sentem corpo e espírito a atrofiar, a adoecer. A bicicleta está aí para ser redescoberta como a maneira mais simples, prazenteira, eficaz, económica e “verde” de revolucionar a vida de cada um, de a tornar, efectivamente, melhor.

II Feira de Bicicletas Maduras

A próxima Feira de Bicicletas Maduras está planeada para o próximo dia 30 de Julho, sábado, das 16h às 18h, novamente no espaço exterior do ateliê da Cenas a Pedal.

Feira de Bicicletas Maduras

Para esta 2ª edição queríamos chamar e incluir também os adeptos do faça-você-mesmo e outros artesãos urbanos que tenham coisas para vender, feitas pelos próprios. Então se reutilizarem materiais, melhor! Sacos e alforges, por exemplo, mas também objectos de decoração, mobiliário ou vestuário com o tema da bicicleta e/ou que integrem componentes de bicicleta (aros, correntes, etc).

Saiba mais sobre este evento aqui, aqui e aqui. A FBM trata-se de um encontro muito informal, tipo feira da ladra, mas só de bicicletas (e usadas!). :-) Não há tendas nem espaços delimitados, é chegar e encostar as bicicletas à parede (ou quem tiver acessórios, pendurá-los nas bicicletas ou colocá-los numa manta no chão, por exemplo). :-) São só 2 horas (ou até as coisas se venderem!) Nós não interferimos em nada, as pessoas expõem e negoceiam como quiserem, nós cedemos o espaço e promovemos o evento.

Inscrições até dia 27!

Atenção! A realização da feira depende da inscrição de gente com cenas para vender, trocar ou doar, pelo que só na 5ª-feira dia 28 será confirmada! Vejam o nosso blog e o Facebook antes de se porem a caminho no sábado. 😉

E ajudem a divulgar, o que não falta são biclas praí esquecidas em sótãos e varandas, cadeirinhas cujos donos entretanto cresceram, etc, etc.

Poupe e prepare as suas crianças: deixe sermos nós a ensiná-las a andar de bicicleta

Alguns pais safam-se bem a ensinar os filhos a andar de bicicleta (mesmo quando eles próprios nunca aprenderam!).

Alguns filhos safam-se bem a aprender a andar de bicicleta com os pais (ou os tios, avós, etc).

E depois há os outros.

Os que a dada altura bloqueiam e desistem.

E os que ultrapassam o básico mas se espalham nos “detalhes”. Destes alguns sobrevivem e insistem, acomodando as mazelas acumuladas, outros nunca mais voltam a pegar na bicicleta.

oops

Delegar esta tarefa em terceiros, pessoas “de fora”, permite retirar da equação a pressão emocional exercida na criança (ou sentida por ela). Birras, amuos, excessos de confiança e retraimento por falta dela, são também eliminados ou reduzidos quando o instrutor é um desconhecido, uma pessoa “nova” para a criança.

Na Cenas a Pedal ensinamos gente miúda e graúda a andar de bicicleta desde 2008. 🙂

As crianças até aos 9-10 anos, aproximadamente, requerem um acompanhamento mais próximo por parte do instrutor. Porque têm pouca força para controlar a bicicleta, são impulsivas e exigem uma comunicação diferente daquela que funciona com um adulto. E também porque, muitas vezes, estão a fazer a transição da bicicleta com rodinhas para sem rodinhas, o que requer um cuidado acrescido pois as rodinhas introduzem hábitos e experiências que deixam de funcionar ou ser seguros na bicicleta livre delas. Assim, até esta idade a melhor opção são as aulas individuais ou a dois (irmãos, por exemplo).

Andar de bicicleta em razoável segurança implica mais do que simplesmente equilibrarmo-nos em duas rodas! Mesmo que usemos capacete, joelheiras, cotoveleiras, coletes, etc, etc, pois o mais importante de tudo é conseguir evitar os acidentes em primeiro lugar… Isso implica perceber como se controla a bicicleta em diferentes situações e saber fazê-lo, algo que iniciamos na medida do possível no ABC da Bicicleta (próximas edições são este fim-de-semana e a meio da próxima semana) , e que desenvolvemos melhor na Clínica de Bicicleta (próxima edição é sábado dia 23!).

Para não perder as ofertas e promoções que fazemos regularmente, siga-nos no Facebook! 😉