Corrigir desequilíbrios com a bicicleta

No passado dia 15 de Fevereiro fui à Faculdade de Motricidade Humana, na Cruz Quebrada, assistir à conferência e debate “Mobilidade e Lazer – A Bicicleta Questiona (Des)equilíbrios”, centrada na bicicleta.  Estava lá muita gente conhecida, claro. 🙂

Foto: Paulo Guerra Santos

Mas o que eu gostei mais foi mesmo da perspectiva externa oferecida pelo antropólogo Joaquim Pais de Brito e pelo pedagogo Carlos Neto. O primeiro falou do espaço para a bicicleta nas cidades, ou da ausência dele. Defendeu que, historicamente, a bicicleta nunca entrou na cidade. Que antigamente as casas ricas tinham portas próprias para as carroças. Quando veio o carro, ele usou estas portas, ou ficava na rua, pois era “auto-fechado”. Mas as bicicletas não têm lugar nas casas, não foram feitas para ficar na rua e só as casas ricas têm pátios… Lembrou ainda as reminiscências do cavalo no selim, no freio e no montar da bicicleta. O Carlos Neto usou uma expressão elucidativa, “analfabetismo motor“, algo que afecta as crianças de hoje em dia, privadas de explorarem o mundo físico à sua volta. Disse que a rua está extinta, as crianças não têm acesso à bicicleta porque não têm acesso à rua. Lembrou que nos países nórdicos, mais calvinistas, preparam as crianças para a adversidade, elas andam na rua, a pé, nos TP, de bicicleta, com frio, chuva ou neve. Cá protegemos as crianças atrofiando-as a ponto de serem incapazes de identificar riscos e de os gerir.

Esta questão do analfabetismo motor é muito relevante. Crianças e adultos sem bons reflexos, percepção espacial, coordenação motora, força, agilidade, serão pouco proficientes em navegar a cidade, e a usar uma bicicleta. Juntemos isto com total ausência de formação para tal na escola e pouca ou nenhuma “educação física” e o cenário torna-se preocupante…

Na sessão de debate a jornalista Carla Castelo alertou para o facto de a mobilização da população portuguesa só se dar para lutar contra a perda de direitos, e enquanto automobilistas e em questões relacionadas com centros de saúde. Ninguém se mobiliza para reivindicar mais direitos, nomeadamente enquanto peões, melhor espaço público, etc. Os pedidos de cobertura de notícias e as reclamações vão neste sentido. Daqui retiro que este pode ser um ponto de ataque do ciclo-activismo nacional. Como me tenho fartado de dizer, não precisamos de ser muitos, temos e que ser barulhentos. Se enquanto ciclistas, peões, utentes dos TP, defensores de um novo urbanismo, etc, fizermos o nosso activismo de sofá telefonando e enviando e-mails para os media a reclamar e a pedir que cubram este ou aquele tópico relacionado com mobilidade e urbanismo sustentáveis, esse tema ganhará força

Uma discussão sobre a exposição das pessoas ao fumo dos automóveis lembrou-me de outra vantagem das pedelec (a.k.a. bicicletas eléctricas) em cidades como Lisboa, ao permitir reduzir o esforço físico quando é preciso e ao permitir acelerar mais rapidamente quando se precisa para sair de uma dada zona, reduz a nossa exposição aos poluentes emitidos pelos automóveis.

Tinha sido convidada a apresentar um poster sobre a Cenas a Pedal, e apesar de não sido possível apresentá-lo na Sessão Poster de manhã, ele ficou lá depois, a espalhar a mensagem. 🙂

Foto: Ana Santos

A Ana Santos, que organizou e promoveu este evento, escreveu sobre o mesmo aqui e aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *