Formação em condução de bicicleta: o como e o porquê

Após termos anunciado o novo serviço de formação em condução de bicicletas, foi-nos colocada a questão dos ‘como’s e ‘porquê’s. Aqui ficam.

Este post faz sentido lido após os anteriores “Aprender a andar de bicicleta” e “Live blogging! Directamente da Cordoaria Nacional ;-P

O background

Não me lembro de me preocupar com isso quando era criança ou mesmo durante a adolescência, mas desde que retomei a utilização da bicicleta após um intervalo de alguns anos que coincidiu com uns problemas de saúde e com a faculdade, que o interesse surgiu e foi aumentando progressivamente.

Em diversas situações no trânsito, em troços ou sistemas particulares da estrada perguntava-me a mim mesma qual seria a forma mais segura, eficaz e confortável de agir, de passar por ali. Isso levou-me a pensar no assunto, a observar, a estudar, fui investigando… Ainda estou a investigar e a aprender (é daquelas coisas que nunca terminam!). 🙂 Entretanto li muitos relatos pessoais, deambulei por muitos sites dedicados a este tema, vi vídeos, diagramas e animações que me ajudaram a pensar de outra forma nas situações de trânsito. Também li alguns livros, os “incontornáveis”, o Cyclecraft do John Franklin, o City Cycling do Richard Ballantine, o Effective Cycling do John Forester (bom, este é um calhamaço por isso a leitura é mais de consulta, a work in progress),…

Nestas minhas investigações fiquei a conhecer actividades de formação em condução de bicicleta no Reino Unido, nos EUA, no Canadá, em Espanha, em França,… Iniciativas a nível governamental, de ONGs e associações desportivas, e de empresas. Comecei, juntamente com o Bruno, a pensar em começar cá algo do género, dadas as lacunas que foram sendo detectadas. Entretanto em conversas com amigos ligados à “cena das bicicletas”, também eles utilizadores regulares da bicicleta como meio de transporte, descobrimos que havia mais gente a pensar nisso. 😉 E resolvemos unir esforços e avançar com o projecto.

Fizémos um exaustivo benchmarking e decidimos adoptar o modelo britânico e o seu National Standard. O próximo passo foi fazer o curso de instrutores para aprofundar a nossa aprendizagem, consolidar e certificar a nossa experiência e conhecimentos obtidos empiricamente, e aprender processos e técnicas de pedagogia. Foi uma experiência muito enriquecedora e compensadora. 🙂 A fase seguinte está a ser a adaptação e desenvolvimento de processos e materiais,… e praticar! Muitos meses de preparação, de estudo, de reuniões, de desenvolvimento… por uma excelente causa. 🙂

Estamos todos muito entusiasmados com isto porque sentimos que estamos a trazer algo de novo e muito válido para o nosso país, que poderá contribuir para que mais pessoas vençam os seus receios e adoptem a bicicleta como meio de transporte regular, e o façam com confiança e em segurança. O lema e objectivo global do National Standard britânico, e que a Cenas a Pedal subscreve totalmente é: Mais pessoas a pedalar, mais frequentemente e em maior segurança.

Porquê o modelo britânico?

Relativamente ao modelo canadiano – o CAN-BIKE, por exemplo, o britânico tem uma estrutura simplificada e orientada para resultados (os “outcomes”). Provém de uma organização com uma longa história e com um papel bastante pró-activo na sociedade inglesa, e obteve o apoio e a colaboração de diversos sectores da sociedade, sendo que é actualmente um programa a nível governamental. O CAN-BIKE é algo oferecido pela Associação Canadiana de Ciclismo desde 1985 e tido como padrão nacional mas não é algo integrado a nível governamental. Nos EUA, passa-se algo similar com a Liga de Bicicletistas Americanos. A proximidade geográfica e cultural também teve uma influência determinante na escolha de qual o modelo a adoptar como ponto de partida.

O Padrão Nacional britânico é a nossa base, mas procuraremos incluir input de outras ideias e experiências na evolução do nosso projecto, sempre com o objectivo de o adaptar ao nosso contexto cultural, legal, económico e social.

O National Standard partiu de uma organização pioneira a nível mundial no que toca à representação e defesa dos direitos dos ciclistas, que existe desde 1878 e conta com 60.000 membros. O Cyclists’ Touring Club (CTC) desenvolveu e propôs ao governo britânico um programa nacional de formação de ciclistas em 1936. O objectivo era reduzir a sinistralidade rodoviária crescente derivada do grande aumento do trânsito na estrada verificado nesse período. Mais de 10 anos depois, o Cycling Proficiency foi implementado. Este programa era coordenado por uma organização de beneficiência e só ensinava os ciclistas – geralmente crianças em idade escolar – a fazer manobras no recreio da escola ou longe do tráfego (um bocado o que a PRP faz actualmente cá em Portugal) e funcionou até 1974. Desde essa altura que a formação em condução de bicicleta para objectivos de segurança rodoviária passou a ser responsabilidade das autoridades locais, enquanto que uma série de outros programas foram surgindo em outros sectores como o da saúde. Em 2002, antes da criação do Programa de Formação em Condução de Bicicleta para Adultos para os Departamentos de Transporte e de Saúde, o CTC fez uma revisão do estado nacional da oferta de formação em condução de bicicleta e apresentou uma série de recomendações aos ‘policy makers‘. Estas propostas foram subsequentemente integradas nas políticas nacionais. Actualmente o National Standard está sob a custódia da Cycling England, uma organização criada para implementar as políticas governamentais na área da promoção da utilização da bicicleta. O Bikeability é o nome do National Standard para o consumidor, é o produto de marketing criado para significar algo junto das pessoas e ocupar o lugar do Cycling Proficiency.

O National Standard tem sido desenvolvido por todos os órgãos envolvidos na formação em condução de bicicletas e é apoiado pelo Governo britânico, pelas autoridades locais, bem como por organizações de utilizadores de bicicleta e de segurança rodoviária. O novo National Standard forma ciclistas para serem competentes e confiantes na utilização das suas bicicletas para todo o tipo de deslocações.

Estamos assim confiantes de que poderemos avançar com um serviço bastante desenvolvido e com boas bases de sustentação. 🙂

[Iremos apresentando mais info dos cursos ao longo das próximas 2 semanas.]

7 comentários a “Formação em condução de bicicleta: o como e o porquê

  1. Pingback: Adeptos do ciclismo utilitário, uni-vos! | Cenas a Pedal, o blog

  2. Pingback: Curso de Condução de Bicicleta em Almada, à borla! « Blog da Cenas a Pedal

  3. Muito interessante este site! Aqui no Brasil o Código de Trânsito Brasileiro define “Direitos e Deveres” aos ciclistas… mas raramente os motoristas de automotores e os ciclistas sabem disto. 🙁
    Gostei do site, já está em meus Bookmarks.
    Parabéns pela iniciativa.

    [ ]’s
    Fernando Duarte
    —————
    São Paulo – SP
    [] Brasil

  4. Pingback: Sinais para motoristas at Blog da Cenas a Pedal

  5. Pingback: Promoção nas Mobiky Genius at Blog da Cenas a Pedal

  6. Pingback: Introdução aos cursos de condução de bicicleta da Cenas a Pedal at Blog da Cenas a Pedal

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *