Cãovívio a Pedal, p’l’A Casa da Bicicultura

Como talvez já tenham reparado, a nossa cadela de 12 Kg, a Mutthilda (mutt = rafeiro, hilda = mighty in battle, logo, Mutthilda, mas lê-se Matilda!) vai connosco para todo o lado de bicicleta. No dia-a-dia e nas férias, na cidade e no campo, no Verão e no Inverno, em plano e e a subir e descer, desde as 8 semanas de idade.

2014-08-07%2019.03.51

Mutthilda com 2 meses.

Passeio e Piquenique MUBi / Casa da Bicicultura

Mutthilda com 4 anos.

Não nos passaria pela cabeça deixar de ir de bicicleta para a podermos levar, ou não a levarmos para podermos ir de bicicleta. Quando dá para ela ir a correr ao nosso lado, soltamo-la, quando não dá (ou não é recomendado sob pena de ela colapsar de tanta correria acumulada), vai à boleia.

Desde o início que levar um cão na bicicleta foi sempre algo que apanha as pessoas de surpresa e lhes põe um sorriso na cara, põe-se a acenar, a fazer-lhe festas, é a loucura. 🙂

Já a levámos em cestos, transportadoras e atrelados. Cestos dianteiros, cestos traseiros. Uma transportadora presa ao deck da longtail Surly Big Dummy do Bruno com umas Rok Straps. Um atrelado gigante de duas rodas, um atrelado de uma roda. Dois cestos diferentes presos ao guiador. Um cesto traseiro fixo ao tubo do selim, outro alongado fixo ao porta-bagagem traseiro, e outro também fixo ao porta-bagagem traseiro mas com um adaptador. Etc. Basicamente andámos a testar o catálogo todo de soluções para transporte de cães. Digamos que temos alguma experiência nisto. 🙂

Já para não falar nela, mais versada em cenas a pedal do que a maior parte dos ciclistas, dado que já andou em bicicletas de touring, bicicletas eléctricas, longtails, recumbents / reclinadas, bakfietsen, tandems e, claro, atrelados! 😀

Circe Morpheus

Por tudo isto, e porque é sempre bom socializar os cães e socializarmo-nos a nós próprios, vamos estar batidos no Cãovívio a Pedal do próximo domingo dia 8 de Julho, em Lisboa, um evento de FUNdraising para a constituição d’A Casa da Bicicultura. Nesse dia esperamos também estrear uma outra solução de transporte para a Mutthilda, uma espécie de cadeira como as dos miúdos. 😀

Esperamos ver-vos também por lá. Vai ser muito fixe!

Programa do Cãovívio a Pedal:

16h-17h30: encontro, convívio e actividades com a Mutts no Jardim do Campo Grande, junto ao parque canino.

17h30-19h: passeio de bicicleta Campo Grande – Alvalade – Lumiar – Campo Grande.

19h30: foto de grupo, fim do encontro no jardim do Campo Grande.

 

Não tens ainda solução para levar o teu cão na bicicleta? Então vem só à parte do encontro. Além do convívio, terás oportunidade de ver as soluções de transporte dos outros participantes, trocar ideias, quem sabe fazer uns test rides.

Além disso, teremos a colaboração da Raquel e do Pedro, os treinadores da Mutts, que gentilmente aceitaram o nosso convite para virem dar-nos umas luzes de como moldar o comportamento dos cães usando técnicas de reforço positivo, não só para os passeios de bicicleta como no dia-a-dia no geral.

Não percas esta oportunidade!

Este é também um evento de angariação de fundos para a Casa da Bicicultura. A participação é livre, mas apelamos a que contribuas com um donativo ao teu critério que ajude a Bicicultura a cobrir os custos da sua fundação oficial – vê como mais abaixo.

Queremos multiplicar estes encontros, e tornar mais fácil aceder a soluções como estas para cães na bicicleta, com a futura veloteca da Casa da Bicicultura! Vem daí! 🙂

O que uma bicicleta consegue fazer

“Ah e tal que tenho que usar o carro na cidade porque tenho 3 filhos para levar à escola, e mais as bicicletas deles, e mais a mãe, e…”

J. e a sua nova e-Mundo

O J. é, como nós, um crente no mantra dos MythBusters, “if it’s worth doing, it’s worth overdoing!“. 😀 Aqui está ele com a sua nova bicicleta longtail Yuba Mundo, a partilhar connosco o que uma bicicleta consegue fazer.

J. e a sua nova e-Mundo

J. e a sua nova e-Mundo

J. e a sua nova e-Mundo

J. e a sua nova e-Mundo

E uma das voltas de estreia desta carrinha familiar de 2 rodas foi a Massa Crítica, à qual o J. conseguiu chegar a tempo pela primeira vez, desde que trocou o atrelado dos miúdos pela longtail. 

J. e a sua nova e-Mundo J. e a sua nova e-Mundo

Há coisa melhor do que ver as nossas #cenasemuso? ❤

Uma família em bicicleta

A família do Pedro é mesmo “cá das nossas”. 🙂

Contactaram-nos em busca de um novo atrelado para transportar as duas filhas. O antigo era usado com frequência, já tinha 6 anos e acusava bem o desgaste. A filha mais velha andou nele até aos 5 anos, altura em que o atrelado começou a romper.

Upgrade para um atrelado Croozer!

(Mas o atrelado ainda vai ter uma segunda vida, o Pedro da VeloCorvo ficou com ele para o transformar!).

A mais nova, de 3 anos, adora andar de atrelado e detesta andar de carro. 🙂 O Pedro buscava um novo atrelado, bom, que lhe servisse bem até aos 6 anos. Entretanto a mana de 8 anos já pedala a sua própria bicicleta. Assim, chegámos ao Croozer Kid Plus for 2 como solução adequada.

Upgrade para um atrelado Croozer!

Upgrade para um atrelado Croozer! Upgrade para um atrelado Croozer!

Este modelo tem suspensão, o que numa cidade como Lisboa faz muita diferença para o conforto dos passageiros.

Upgrade para um atrelado Croozer!

As luzes integradas e o engate trancável são outros dois pormenores que tornam este atrelado muito prático.

Upgrade para um atrelado Croozer! Upgrade para um atrelado Croozer!

O antes e o depois! 😀

Upgrade para um atrelado Croozer!

Upgrade para um atrelado Croozer!

Servir famílias é algo que nos dá sempre uma satisfação especial, e é espectacular continuarmos a fazê-lo, 12 anos depois de nos lançarmos nesta missão. 🙂

O Caminho Francês em BTT, sem mochila

O Gonçalo é outro fã de viagens a pedal, e está a planear fazer o Caminho Francês de bicicleta (BTT), e queria uma solução de carga compatível e que não implicasse mochila às costas, porque já não está para isso (e faz muito bem!). A solução? Um atrelado da Extrawheel, que oferece uma forma modular, leve e manobrável de transportar carga, mesmo em bicicletas incompatíveis (ou não facilmente compatíveis) com suportes de carga tradicionais, ou quando queremos levar mesmo muita carga.

Extrawheel Voyager
Extrawheel Voyager