O que uma bicicleta consegue fazer

“Ah e tal que tenho que usar o carro na cidade porque tenho 3 filhos para levar à escola, e mais as bicicletas deles, e mais a mãe, e…”

J. e a sua nova e-Mundo

O J. é, como nós, um crente no mantra dos MythBusters, “if it’s worth doing, it’s worth overdoing!“. 😀 Aqui está ele com a sua nova bicicleta longtail Yuba Mundo, a partilhar connosco o que uma bicicleta consegue fazer.

J. e a sua nova e-Mundo

J. e a sua nova e-Mundo

J. e a sua nova e-Mundo

J. e a sua nova e-Mundo

E uma das voltas de estreia desta carrinha familiar de 2 rodas foi a Massa Crítica, à qual o J. conseguiu chegar a tempo pela primeira vez, desde que trocou o atrelado dos miúdos pela longtail. 

J. e a sua nova e-Mundo J. e a sua nova e-Mundo

Há coisa melhor do que ver as nossas #cenasemuso? ❤

Foi fixe, o encontro, pá!

Éramos 60 pessoas (incluindo muitas crianças) e 2 cães ontem no passeio & piquenique Bicicultura / MUBi, o tempo estava fixe e a malta pedalou pela zona oriental, descobrindo novas rotas e novos parques verdes na cidade. No piquenique na Mata de Alvalade, confraternizou-se e passaram-se umas horinhas no relax. Foi uma oportunidade de rever amigos e caras conhecidas e de conhecer malta nova. E, graças à generosidade de quem acredita na importância deste projecto, angariou-se já algum dinheiro para a constituição da cooperativa! 🙂

Passeio e Piquenique MUBi / Casa da Bicicultura

Passeio e Piquenique MUBi / Casa da Bicicultura

Passeio e Piquenique MUBi / Casa da Bicicultura

Passeio e Piquenique MUBi / Casa da Bicicultura

Passeio e Piquenique MUBi / Casa da Bicicultura

Passeio e Piquenique MUBi / Casa da Bicicultura

Passeio e Piquenique MUBi / Casa da Bicicultura

Passeio e Piquenique MUBi / Casa da Bicicultura

Passeio e Piquenique MUBi / Casa da Bicicultura

Passeio e Piquenique MUBi / Casa da Bicicultura

Passeio e Piquenique MUBi / Casa da Bicicultura

Passeio e Piquenique MUBi / Casa da Bicicultura

Passeio e Piquenique MUBi / Casa da Bicicultura

Estas e muitas outras fotos e vídeos podem ser encontrados aqui (incluindo as que o Bruno Mendes gentilmente nos cedeu para publicação). Mais fotos de outros participantes na página de Facebook do evento.

Se não participaram, não fiquem tristes, hão-de haver mais! 🙂

Uma família em bicicleta

A família do Pedro é mesmo “cá das nossas”. 🙂

Contactaram-nos em busca de um novo atrelado para transportar as duas filhas. O antigo era usado com frequência, já tinha 6 anos e acusava bem o desgaste. A filha mais velha andou nele até aos 5 anos, altura em que o atrelado começou a romper.

Upgrade para um atrelado Croozer!

(Mas o atrelado ainda vai ter uma segunda vida, o Pedro da VeloCorvo ficou com ele para o transformar!).

A mais nova, de 3 anos, adora andar de atrelado e detesta andar de carro. 🙂 O Pedro buscava um novo atrelado, bom, que lhe servisse bem até aos 6 anos. Entretanto a mana de 8 anos já pedala a sua própria bicicleta. Assim, chegámos ao Croozer Kid Plus for 2 como solução adequada.

Upgrade para um atrelado Croozer!

Upgrade para um atrelado Croozer! Upgrade para um atrelado Croozer!

Este modelo tem suspensão, o que numa cidade como Lisboa faz muita diferença para o conforto dos passageiros.

Upgrade para um atrelado Croozer!

As luzes integradas e o engate trancável são outros dois pormenores que tornam este atrelado muito prático.

Upgrade para um atrelado Croozer! Upgrade para um atrelado Croozer!

O antes e o depois! 😀

Upgrade para um atrelado Croozer!

Upgrade para um atrelado Croozer!

Servir famílias é algo que nos dá sempre uma satisfação especial, e é espectacular continuarmos a fazê-lo, 12 anos depois de nos lançarmos nesta missão. 🙂

Pelo direito a brincar

Yah, imaginem se fosse convosco:

As crianças precisam de brincar. Bolas, os adultos precisam de brincar, quanto mais as crianças!

Infelizmente, nas últimas décadas fomos construindo um mundo, uma sociedade, uma cultura, em que as crianças levam uma vida de reclusas. Reclusos bem tratados e cheios de actividades de suposta estimulação, mas ainda assim reclusos – não têm a liberdade de explorar o mundo como desejam e precisam. De estar ao ar livre e fora de portas, de explorar o meio físico em que se encontram, de se aventurarem, de perseguirem os seus próprios interesses e paixões, de correrem riscos, de aprenderem a gerir emoções, interesses, frustrações, sonhos, riscos. Há sempre adultos a dizerem-lhes o que fazer, com o que brincar e como, e quando, e até com quem. Isto é mau agora, e terá um preço a pagar no futuro.

Como nós brincámos muito, tivémos a liberdade de andar na rua e brincar como bem nos apetecia, sabemos o bem que soube, e o bem que nos fez. E lamentamos ver tantas crianças privadas desse privilégio, em nome de uma ilusão de segurança e competitividade.

Por isso, há uns meses atrás aceitámos o convite do Instituto de Apoio à Criança para participar no evento Brincar a Sério, pelo Dia Mundial do Brincar, que teve lugar nos jardins do Palácio de Belém, no dia 28 de Maio.

Como andar de bicicleta tanto pode ser uma brincadeira como um meio de transporte, e enquanto meio de transporte continua a ter muito de brincadeira, e é uma ferramenta importante a nível de desenvolvimento psicomotor, nós fomos lá promover isso mesmo. Levámos bicicletas familiares para mostrar ao público, e por vezes os test rides funcionaram como uma espécie de “volta no carrocel”. 🙂 E andámos também a dar dicas aos pais de como podem ajudar os filhos a largar as rodinhas (explicando que na Escola de Bicicleta ensinamos isso e tudo o resto!). 

Haviam várias actividades para estimular a brincadeira, inclusivé uma área de brincadeira livre, dos 1, 2, 3 macaquinho do xinês, onde apanhámos o prof. Carlos Neto, da FMH, a brincar também, por uns instantes. 🙂

Se não ouviram ainda falar dele, espreitem aqui, onde ele faz notar que as crianças hoje são como animais em cativeiro, aqui, onde ele alerta para o crescente analfabetismo motor dos miúdos (algo que nós próprios fomos notando ao longo dos anos nas nossas actividades com os karts KMX e com as aulas e afins) e aqui, onde ele fala do sedentarismo e da organização do território e do trabalho, por exemplo. E têm também estes vídeos, no âmbito do Dia de Aulas ao Ar Livre, que já chegou a Portugal!

Entretanto, precisamos de Um Novo Conceito de Parque Infantil. We need Rethinking Childhood, we need Freerange Kids, we need riskier playgrounds! E precisamos de menos carros na cidade, se reduzirmos o número e velocidade dos carros, aumentaremos o número de crianças na rua, seja a brincar, a caminhar, a andar de bicicleta, etc. É o volume, velocidade, hipermobilidade e anonimato dos carros que gera o medo da rua.

Libertemos as crianças! E, no processo, libertemos também os adultos, novos e velhos. 😉

Vamos viajar de bicla em 2014?

Sozinhos, com os miúdos, até ao concelho vizinho ou à outra ponta de Portugal, ou mesmo pelo mundo afora?

Grandes viagens

É já no próximo dia 21 de Fevereiro, a partir das 18h20, que o Rafael Polónia virá de novo ao nosso estaminé dar a sua palestra para ciclo-viajantes.

O seu forte são as GRANDES viagens, intercontinentais, mas as suas experiências serão interessantes e úteis para qualquer pessoa que sonhe fazer uma viagem internacional.

As inscrições (28 €) são feitas aqui, até ao próximo dia 16. Não percam a vossa vaga, reservem-na já!

Viajar com crianças

Em Março e Abril teremos um ciclo de quatro tertúlias biciculturais com o tema “Viajar de bicicleta com crianças”!

DSCF4922_crop

Viajar de bicicleta. Viajar de bicicleta em família. Viajar de bicicleta com filhos pequenos! 
Como é? Que tipo de preparação exige? Onde ir? É giro?

Nestas tertúlias teremos famílias que já o fizeram a vir partilhar a sua história: porque decidiram viajar de bicicleta, que preparativos fizeram, que coisas escolheram levar, onde decidiram ficar, porque escolheram aquele percurso, o que gostaram mais, o que gostaram menos, quais os receios que tinham e como lidaram com eles, que surpresas tiveram, o que significou a experiência para eles enquanto família e cada um enquanto indivíduos (crianças incluídas).

Virão cá ajudar a desmistificar a ideia de que viajar de bicicleta com crianças é “impossível” ou demasiado complicado, ou só para atletas ou ciclistas experientes.

Foto1066 Foto1178

Estas não foram grandes viagens internacionais de meses ou anos, foram viagens relativamente curtas, da duração de umas férias normais, acessíveis a qualquer família, aqui mesmo, em Portugal. Sair por aí de bicicleta, com os miúdos, acampando neste parque aqui, pernoitando em casa de um amigo ali, acampando “selvagem” mais à frente… 🙂

CONVIDADOS
 
  • 14 de Março, 6ª-feira, 19h: Pedro & Flávia (que viajaram com os três filhos, Manel, Maria e Francisca)
  • 28 de Março, 6ª-feira, 19h: Gonçalo (que fez várias viagens com o filho Gustavo)
  • 9 de Abril, 4ª-feira, 19h: Filipa & João (que fizeram uma viagem com os dois filhos Vasco e Manel)
  • 23 de Abril, 4ª-feira, 19h: Manon & Luís (que viajaram com a filha Lúcia)

As inscrições são gratuitas e são feitas aqui. Os lugares são limitados, reservem hoje a vossa vaga!