Pelo direito a brincar

Yah, imaginem se fosse convosco:

As crianças precisam de brincar. Bolas, os adultos precisam de brincar, quanto mais as crianças!

Infelizmente, nas últimas décadas fomos construindo um mundo, uma sociedade, uma cultura, em que as crianças levam uma vida de reclusas. Reclusos bem tratados e cheios de actividades de suposta estimulação, mas ainda assim reclusos – não têm a liberdade de explorar o mundo como desejam e precisam. De estar ao ar livre e fora de portas, de explorar o meio físico em que se encontram, de se aventurarem, de perseguirem os seus próprios interesses e paixões, de correrem riscos, de aprenderem a gerir emoções, interesses, frustrações, sonhos, riscos. Há sempre adultos a dizerem-lhes o que fazer, com o que brincar e como, e quando, e até com quem. Isto é mau agora, e terá um preço a pagar no futuro.

Como nós brincámos muito, tivémos a liberdade de andar na rua e brincar como bem nos apetecia, sabemos o bem que soube, e o bem que nos fez. E lamentamos ver tantas crianças privadas desse privilégio, em nome de uma ilusão de segurança e competitividade.

Por isso, há uns meses atrás aceitámos o convite do Instituto de Apoio à Criança para participar no evento Brincar a Sério, pelo Dia Mundial do Brincar, que teve lugar nos jardins do Palácio de Belém, no dia 28 de Maio.

Como andar de bicicleta tanto pode ser uma brincadeira como um meio de transporte, e enquanto meio de transporte continua a ter muito de brincadeira, e é uma ferramenta importante a nível de desenvolvimento psicomotor, nós fomos lá promover isso mesmo. Levámos bicicletas familiares para mostrar ao público, e por vezes os test rides funcionaram como uma espécie de “volta no carrocel”. 🙂 E andámos também a dar dicas aos pais de como podem ajudar os filhos a largar as rodinhas (explicando que na Escola de Bicicleta ensinamos isso e tudo o resto!). 

Haviam várias actividades para estimular a brincadeira, inclusivé uma área de brincadeira livre, dos 1, 2, 3 macaquinho do xinês, onde apanhámos o prof. Carlos Neto, da FMH, a brincar também, por uns instantes. 🙂

Se não ouviram ainda falar dele, espreitem aqui, onde ele faz notar que as crianças hoje são como animais em cativeiro, aqui, onde ele alerta para o crescente analfabetismo motor dos miúdos (algo que nós próprios fomos notando ao longo dos anos nas nossas actividades com os karts KMX e com as aulas e afins) e aqui, onde ele fala do sedentarismo e da organização do território e do trabalho, por exemplo. E têm também estes vídeos, no âmbito do Dia de Aulas ao Ar Livre, que já chegou a Portugal!

Entretanto, precisamos de Um Novo Conceito de Parque Infantil. We need Rethinking Childhood, we need Freerange Kids, we need riskier playgrounds! E precisamos de menos carros na cidade, se reduzirmos o número e velocidade dos carros, aumentaremos o número de crianças na rua, seja a brincar, a caminhar, a andar de bicicleta, etc. É o volume, velocidade, hipermobilidade e anonimato dos carros que gera o medo da rua.

Libertemos as crianças! E, no processo, libertemos também os adultos, novos e velhos. 😉

De pequenino…

As crianças são formatadas pelas referências que lhes damos. Neste Natal (e fora dele) lembre-se disso. Em vez de oferecer carros, jipes e Cia de brinquedo, ofereça comboios, autocarros… ou bicicletas. 🙂 Dê o melhor exemplo.

Esqueça isto, já está muito batido:

 

Insista mais nisto:

Kid magnets

São sempre engraçadas as reacções das pessoas que passam na rua à bakfiets Cargobike Long. 🙂 Uns olham, outros mexem no guiador a ver como é que aquilo controla a roda à frente, outros tiram fotos, etc. E alguns posam mesmo para a fotografia. Hoje uma senhora sentou os miúdos em cima da lona (ainda bem que tinha caixas de cartão por baixo!) e esteve imenso tempo a tirar-lhes fotos. Real cute. 🙂

Mães & filhos de bicicleta

Há umas semanas saiu uma bicicleta Kalkhoff Agattu Lite 8 com uma cadeirinha Bobike Maxi+ para uma dupla mãe & filho. Podem ver pela foto abaixo que ficaram ambos muito satisfeitos. 🙂

Mãe & filho na bicicleta & cadeirinha novas

Este modelo é um dos meus favoritos, se não o favorito, da gama Kalkhoff.

Kalkhoff Agattu Lite 8

É muito leve e muito confortável. O quadro é rígido mas os pneus balão oferecem uma suspensão eficaz para lidar com os empedrados e demais imperfeições do piso comuns nas nossas cidades. O guiador curvo e o avanço regulável permitem obter uma posição de condução mais direita e confortável. O quadro rebaixado é o mais prático. As mudanças internas são as mais confortáveis para uso urbano, requerem pouca manutenção e são fáceis de usar (não nos exigem pensar sempre um passo à frente, como as de desviador). Traz apoio de descanso, protecção de corrente (para não termos que nos preocupar com sujar ou estragar as calças ou prendê-las com fitas), pára-lamas, porta-bagagem traseiro, campainha, e luzes de dínamo com (ON/SENSOR/OFF), e até uma pequena bomba de ar. Por 649 € uma bicicleta completa, bonita e de boa qualidade, os únicos extra que precisa são cadeados e uns alforges, sacos, malas, ou o que seja, para transportar as coisas do dia-a-dia. Uma buzina e um espelho retrovisor também dão muito jeito, claro. E depois há as cadeirinhas, cestos e reboques para necessidades de transporte mais específicas.

Esta bicicleta traz um porta-bagagem com uma curva à frente, que permite fixar a cadeirinha Bobike Maxi+ directamente ao mesmo (fixe, assim não é preciso um adaptador, e fica em 94.95 €):

Kalkhoff Agattu Lite 8 Kalkhoff Agattu Lite 8 c/ Bobike Maxi+

Reparem ainda que a cadeirinha está mais atrás que o normal com as cadeirinhas que se costumam ver mais, a criança tem mais espaço entre ela e o traseiro e as costas do pai ou da mãe, o que é simpático. 😉

Este Sábado passado saiu uma outra solução para uma dupla mãe & filha, uma bicicleta Kalkhoff Agattu Co equipada com um kit FollowMe Tandem para atrelar a bicicleta da menina.

Kalkhoff Agattu Co & FollowMe Tandem

Também é uma das minhas favoritas. A forma do quadro, e a cor, é muito bonita, e é igualmente confortável com o seu guiador ergonómico, posição direita, e quadro rebaixado. A suspensão aqui não está nos pneus, como na Agattu Lite, mas no garfo dianteiro e no espigão do selim – igualmente confortável mas um pouco mais pesada, e a um preço ligeiramente mais baixo também – 589 €. De resto, vem igualmente equipada: protecção de corrente, apoio de descanso, pára-lamas, luzes de dínamo, campainha, porta-bagagem traseiro, bomba de ar, e traz também mudanças internas.

Kalkhoff Agattu Co & FollowMe Tandem

Os extras aqui foram também um cesto dobrável Basil Catania e um cadeado Kryptonite Evolution Series 4.

Kalkhoff Agattu Co

Cesto Basil Catania fechado Cesto Basil Catania aberto
Cesto Basil Catania fechado Cesto Basil Catania aberto

A Kalkhoff tem imensos modelos, torna-se até difícil compará-los, pois por vezes são muito parecidos, as diferenças são de detalhes. Eu gosto muito da Agattu Lite 8 e da Agattu Co pelo conforto, design, e equipamento a um preço acessível, mas depois há outras opções, umas mais aproximadas, outras mais elaboradas, consoante o orçamento, e consoante as necessidades e preferências de cada um. 🙂 Mas a partir de 349 € tem-se uma bicicleta com todo o equipamento básico, bonita e de boa qualidade, com o modelo Blackwood 21.

As cadeirinhas Bobike são muito bonitas, fáceis de pôr e tirar, e “elegantes” – não só de um ponto de vista estético, mas também funcional, têm menos volume global de plástico, e onde o têm ele é grosso e robusto. O design, ergonomia, conforto e funcionalidade têm um preço, e as Bobike não são baratas, contudo, são um bom investimento e manterão um bom valor de revenda quando já não servirem à criança em causa, justamente por isso.

Na última semana equipámos algumas famílias com cadeirinhas dianteiras, uma solução para crianças mais pequenas, até aos 15 Kg, que oferece vantagens a nível de comunicação, montar/desmontar da bicicleta, e condução.

Bilby Junior & Bobike Maxi+

Uma bicicleta de cauda longa (a.k.a. longtail) é também uma solução superpopular entre as famílias.

Foto: César Marques, Blog Plano C

E um reboque é outra solução possível, claro:

IMGP5980.JPG

Servir as crianças e as famílias é fundamental para a nossa missão. Se repararem, o principal modo de transporte das famílias com crianças é o automóvel. Principalmente quando têm mais que 1 criança pequena. Não vemos muitas famílias com crianças a andar a pé, nem de bicicleta, nem de transportes públicos. Porque não é prático, não é confortável, não é seguro, e muitas vezes não é eficiente do ponto de vista do custo. Enquanto os transportes públicos, as tarifas, as estações, as paragens, as acessibilidades, a sinalização, o atendimento, as carruagens, os assentos, etc, etc, os passeios, as passadeiras, os semáforos, as escadas/rampas/elevadores, etc, etc, as estradas, o piso, o trânsito, o parqueamento, etc, etc, não forem apelativos e funcionais para quem se mova pela cidade com crianças pequenas, o domínio do automóvel, e a nossa escravização pelo mesmo, não acabará.

Nós tentamos fazer a nossa parte, equipar as famílias com as ferramentas de que precisam a nível de equipamento, assistência, e competências, e encaminhá-las e recebê-las na comunidade (Massa Crítica, MUBi, etc), para ajudá-las a estabelecer pontes com outras famílias e outras pessoas que partilham o interesse e o estilo de vida baseado na bicicleta, fomentando o apoio mútuo, a cooperação, o convívio, a troca de experiências, e a validação pelos pares desta escolha pela bicicleta.

Venham a nós as famílias!
🙂