Bastidores

Na tarde do dia 2 de Agosto estivemos por Oeiras (Santo Amaro de Oeiras, a zona da Biblioteca Municipal, o Jardim da Quinta dos 7 Castelos…, um percurso que faço com alguma regularidade), a gravar uma reportagem sobre o nosso Curso de Condução de Bicicleta para um programa da RTP2 que irá para o ar lá para Outubro. O que nos pediram foi alguém a circular de bicicleta demonstrando algumas situações de condução (eu), outra pessoa noutra bicicleta que pudesse levar o cameraman a reboque (o Bruno na sua Xtracycle equipada com um par de Footsies e um guiador de apoio) e uma bicicleta adicional para a jornalista (que levámos também com a Xtracycle). A ideia original de ir filmando em movimento, à boleia do Bruno, não foi aplicada porque havia muito movimento e tornaria a situação perigosa, mas fez-se alguma B footage assim. 🙂

A reportagem em si correu razoavelmente bem, embora tanto eu como o Bruno tenhamos sentido que falámos muito depressa e que por vezes nos perdíamos um bocado na linha de raciocínio. É um bocado stressante ter uma câmara a olhar para nós e a gravar tudo enquanto nos fazem perguntas que não conhecemos previamente. 😉 As situações de trânsito também nem sempre resultaram como gostaríamos (em termos de ilustrar situações ou conceitos), por diversos motivos relacionados com o desenho da estrada, com o volume de tráfego na altura e com alguns comportamentos menos habituais de motoristas.

Resta esperar para ver o resultado, que deverá ser espremido, cortado e concentrado numa peça de até 8 min. É um trabalho ingrato, jornalista e cameraman filmarem e trabalharem ali uma ou duas horas para depois o resultado que sai cá para fora para as pessoas verem ser tão curtinho. É mesmo um trabalho essencialmente de bastidores.

«Toca a pedalar»

«A bicicleta é uma alternativa viável – e não poluente – ao automóvel. Mesmo nas ruas de Lisboa, onde o trânsito e os declives acentuados parecem não assustar o crescente número de ciclistas.» Texto de Sara Raquel Silva. Fotos de Paulo Castanheira / AFFP. Revista Gingko, edição n.º 1, Março de 2008:

«Toca a pedalar» «Toca a pedalar»
«Toca a pedalar»

Comércio tradicional de bicicletas

Esta oficina é em Oeiras:

Achei interessante falarem sobre as bicicletas dos hipermercados, pechinchas a 50 € ou menos que depois saem caras na oficina. O meu irmão comprou uma há uns anos, por este preço, e gastou logo o dobro ou o triplo ou lá o que foi a substituir peças. Not a smart move. 😛

A Mobiky na TV?

Ontem foi a minha casa uma equipa de televisão da Companhia de Ideias fazer uma pequena reportagem connosco! 🙂 Pelo que percebemos foi por indicação de alguém na Sociedade Ponto Verde. Quem quer que seja essa pessoa, fica aqui o nosso agradecimento público! 🙂

É para o programa Sociedade Civil, na 2:, que será emitido amanhã entre as 14h e as 15h30, e subordinado ao tema O que é um brinquedo“:

«Recentemente 14 mil brinquedos foram apreendidos pela ASAE em operações de fiscalização, porque não possuíam rotulagem em conformidade com a lei ou não tinham qualquer informação. Neste SC queremos saber o que é um brinquedo e dar a conhecer outras sugestões para ocupar o tempo dos seus filhos. No fundo, dar sugestões lúdicas para uma época em as famílias têm mais tempo para brincar (latu senso).»

A Genius aparecerá por ser um produto cujo fabrico incorpora materiais reciclados, neste caso o quadro, em alumínio. O foco da peça, pelo que entendi é na questão da reciclagem, por isso também foram abordados os nossos hábitos domésticos neste campo. Em Oeiras a Câmara foi das pioneiras nacionais a apostar na separação e valorização de resíduos. Já há muitos anos que se recolhem porta-a-porta os resíduos domésticos para reciclagem (além dos ecopontos). Em minha casa, por exemplo, temos um recipiente grande para o papel/cartão:

Saco para o papel e cartão

Outro para as embalagens (plástico, metal, cartão):

Saco para as embalagens

Um garrafão de 5 L onde acumulamos as pilhas (embora já comece a ser raro, visto termos começado a usar pilhas recarregáveis) e outro garrafão de 5 L onde acumulamos o óleo das frituras (já vamos no 2º garrafão) para colocar num oleão em Sintra:

Para o pilhão e para o oleão

(A Cuca fez questão de aparecer parcialmente na foto ;-))

E um outro recipiente para os resíduos orgânicos, que são depois usados para compostagem no jardim:

Recipiente para o lixo orgânico

É raro termos vidro para deitar fora, mas quando o temos deitamos no vidrão do ecoponto a poucos metros da nossa porta:

Ecoponto

Tudo o que sobra e não cabe nestas categorias vai para o caixote do lixo:

Saco do lixo não-reciclável

A política dos 3R’s está sempre presente nos nossos hábitos de consumo pessoais. Reduzir, Reutilizar e Reciclar (por esta ordem de prioridades de actuação!). Uma vez que não somos fabricantes dos produtos que vendemos, não podemos definir as políticas e opções em termos de sustentabilidade ambiental e responsabilidade social que lhes estão associadas. Por isso foi com satisfação que, após termos questionado a Mobiky acerca da origem dos materiais usados na produção da Genius, ficámos a saber que o quadro da bicicleta é feito em alumínio 100 % reciclado. 😀 Outras partes também poderão ter materiais reciclados incorporados mas não nos foi possível darem uma indicação certa de % (deve haver muita variação, relacionada com a disponibilidade de materiais a dado momento).

Agora resta esperar para ver a peça amanhã. Estamos a morrer de curiosidade! 😛 Estávamos um bocado nervosos e receamos ter ficado com um ar pouco natural, pouco “nós“. Também aguardamos com alguma expectativa por descobrir qual o foco final da produção (o que mostram e o que cortam, etc). Será um foco no brinquedo, será na reciclagem,…?

Depois colocaremos o video disponível aqui, ou o link para o repositório da RTP. 🙂