Estique a sua bicicleta e mude a sua vida!

Quer saber como:

  • tornar as viagens de ida e volta do trabalho um dos pontos mais altos do seu dia?
  • gastar menos dinheiro com o carro ou com o passe?
  • encontrar tempo no seu quotidiano para uma actividade física ligeira gratuita?
  • estar mais disponível e próximo dos seus filhos?
  • ir para a praia este Verão sem perder tempo preso no trânsito?

Transforme a sua bicicleta num veículo utilitário prático e divertido. 🙂 Estique-a!

O que é uma bicicleta longtail?

Saiba mais aqui e aqui. Basicamente, é uma bicicleta com uma traseira alongada graças a uma maior distância entre eixos – ‘longtail‘ significa ‘cauda longa’; as rodas estão afastadas mais 38 cm (aproximadamente) do que numa bicicleta normal. Do ponto de vista do aspecto exterior, as longtails serão as station wagons das bicicletas, ou SUB’s (Sports Utility Bicycle) em vez de SUV’s (Sports Utility Vehicle). Exemplos: Surly Big Dummy, Yuba Mundo.

Montagem InstigatorX do R.

Para que serve uma longtail?

Saiba mais aqui. Para aumentar muito significativamente a capacidade de carga de uma bicicleta, sem perder o aspecto e as características de condução de uma bicicleta tradicional (e ficando ainda mais estável!).

Mom hauled all this home.

Porquê uma longtail e não um cesto, um atrelado ou uma longjohn? Veja aqui a comparação.

O que é uma Xtracycle?

Uma  Xtracycle é uma bicicleta (normal, pode ser a que já tem) com a cauda alongada, uma longtail, que usa o sistema modular de acessórios da Xtracycle. O alongamento da cauda é conseguido com o Freeradical, um chassis que prolonga o quadro original da sua bicicleta. Mas já há bicicletas com o quadro alongado de origem, como a Surly Big Dummy, que por isso dispensam o Freeradical, mas que usam todos os outros acessórios Xtracycle.

Fica assim com uma “smartbike” (como se fosse um smartphone) com diversos acessórios que funcionam modularmente (as apps). 🙂

Estão disponíveis na Europa 2 kits:

Freeradical Classic Kit, com dois sacos Freeoaders e um destes decks à escolha: Snapdeck ou Flightdeck (escolha a versão que prefere ou de que precisa para o uso que pretende dar à bicicleta), PVP 559 €.

Com este kit, na versão com Flighdeck, é possível instalar na traseira 1 ou 2 cadeiras de transporte de crianças, consoante a idade das mesmas.

in the background, diesel-powered.  In the foreground, dim sum-powered!

FreeRadical - DoubleStoker

xtracycle electra townie yepp mini and maxi

E, claro, mesmo para quem não tem miúdos para transportar, a capacidade de carga quadruplicada face a uma bicicleta normal é muito útil, seja para ir ao supermercado ou dar a volta ao mundo!

grocery run

Gordon

my big dummy taking a rest

Grand Opening Bike Corrals on Main Street

Flat-ass Kansass

Freeradical Eco Kit, com conjunto de sacos e deck Hoodie, PVP 379 €.

O Eco Kit oferece uma opção integrada deck & sacos muito versátil e económica.

O distribuidor europeu da Xtracycle está agora a receber um contentor e quando este esgotar não se sabe quando voltará a haver mais (decorrerão sempre vários meses até chegar um novo carregamento). Por isso temos estado a aceitar pré-encomendas para este, e a oferecer um pequeno desconto promocional de 20 € no Classic Kit e de 10 € no Eco Kit. Se quiserem aproveitar e assegurar o vosso kit, façam a vossa encomenda até ao próximo dia 25 de Julho!

Carrie Takes a Break

Vão ver que será a melhor decisão que já tomaram, andar de Xtracycle é o máximo! 😀

A Feira de Bicicletas Maduras está de volta

Após um interregno de alguns meses, retomamos a Feira de Bicicletas Maduras no próximo dia 21 de Julho, já este sábado, das 15h às 17h. Passará a realizar-se de 2 em 2 meses, no 3º sábado do mês. A seguir a esta de Julho, a próxima será assim a 15 de  Setembro.

Feira de Bicicletas Maduras

Na página do evento no Facebook já se vislumbram algumas das bicicletas que por lá poderão aparecer. 🙂 Apareçam e divulguem, por favor, quanto mais gente souber do evento mais vendedores e compradores aparecerão, essencial para a dinamização da feira! 🙂

Nós só cedemos o espaço e promovemos a “festa”, todas as transacções são tratadas directamente entre vendedores e compradores! A Feira de Bicicletas Maduras é a nossa contribuição para ajudar as pessoas a encontrar bicicletas mais baratas e para ajudar a evitar que artigos usáveis se degradem por falta de uso e eventualmente acabem precoce e desnecessariamente no lixo.

De volta à velocidade das carroças

Muito interessante e elucidativo este pequeno filme de 3 minutinhos apenas, sobre “A evolução dos transportes”:

E já agora, vejam este pequeno documentário sobre a bicicleta no Brasil:

Agora vamos mesmo ter fazer uma das nossas T-shirts com esta: “‘Tá nervoso? Vai de bike.” 😀

As mulheres e a bicicleta

Aqui há tempos a Joana Capucho, jornalista do Diário de Notícias, contactou-nos a propósito de um artigo que estava a preparar, sobre as mulheres e a bicicleta, dada a nossa experiência com elas a nível da escola e da loja. Procurámos ajudar partilhando algumas das nossas observações, e também fornecendo informação genérica sobre bicicletas e acessórios (atenção que há um lapso na referência aos cadeados, o U deve prender o quadro da bicicleta a algo sólido, e depois o cabo deverá prender a roda ou ambas as rodas e/ou o selim, por exemplo). E, claro, contactámos algumas antigas alunas dos vários módulos do nosso Curso de Condução de Bicicleta para que elas pudessem, se o desejassem, dar o seu testemunho. A resposta foi muito positiva (obrigada a todas!), e a Joana lá optou por incluir o testemunho da Paula, que fez connosco o ABC da Bicicleta, e que usa a bicicleta em contexto de lazer, e ainda da Marta e da Valéria, que fizeram os módulos já de condução propriamente dita e que usam a bicicleta como meio de transporte quotidiano. 🙂

"A idade não é obstáculo para elas aprenderem a pedalar"

A questão da quota das mulheres na quota modal da bicicleta é algo que merece atenção por vários motivos. Uns relacionados com as próprias mulheres e com o que elas podem estar a perder ao não usar a bicicleta, seja para transporte, lazer ou desporto, outros com o que isso influencia e revela das condições de uso da bicicleta nas cidades, e outros factores socio-económicos associados.

Há cidades onde a grande maioria dos ciclistas são homens, outras onde as mulheres são uma modesta maioria. O que origina estas diferenças? Como será a distribuição de género na quota modal de outros meios de deslocação, nomeadamente o automóvel, o transporte público, o andar a pé? Será que a opção pela bicicleta tem mais a ver com o próprio uso da bicicleta (saber andar, percepção de eficiência, conforto, segurança, etc) ou mais a ver com o tipo de deslocações mais associadas às mulheres (em maior número, mais curtas, mais irregulares,…)? Que peso terão os factores económicos (a questão da disparidade salarial entre homens e mulheres, em desfavor destas últimas) e/ou culturais (nomeadamente a dominância cultural do papel masculino na família, que em caso de recursos escassos, tem preferência no uso do automóvel, por exemplo)? Este artigo, por exemplo, aborda isto.

No contexto de criar cidades sustentáveis onde a bicicleta está bem disseminada, ou seja, tem uma boa quota da distribuição modal, será a quota de género mais importante ou relevante do que a quota etária, por exemplo? Ou a quota económica? No estereótipo do “ciclista homem entre os 20 e os 35 anos e estudante/com poucos recursos económicos) há populações mais estratégicas/relevantes/importantes/prioritárias do que outras?

Esta questão da distribuição de género no uso da bicicleta foi, a propósito, o tema do último encontro do projecto europeu VOCA – Volunteers of Cycling Academy, que decorreu em Dublin, e no qual tivémos oportunidade de participar, enquanto activistas da MUBi. Entretanto já estão online os vídeos das apresentações da conferência organizada pela Dublin Cycling Campaign dedicada a discutir este tema.

Por cá, contribuímos para o reequilíbrio de género na bicicleta de várias formas, incluindo com a nossa escola, cujo calendário de Verão já está pronto, a propósito. 🙂